Seguidores

Romance escrito em tempo real

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Sem olhar para trás Quando a depressão pós-parto se instala:

Nunca fui uma pessoa insegura, mas lembro-me como se fosse hoje o nascimento de minha primeira filha. Tanto aguardei por aquele momento, com tanto entusiasmo e, quando esse momento chegou, não conseguia me sentir feliz. Culpava-me por isso. Sentia-me insegura, incapaz, a pior pessoa desse mundo. Se leoas, girafas amam e sabem cuidar de suas crias...Se até as tartarugas que põem os seus ovos na areia e vão embora, o fazem por amor e como forma de proteção, então por que justo eu uma mulher esclarecida, normal, não conseguia externar o meu amor? Sentia-me despreparada, incomodada, sem identidade e extremamente insegura. Toda vez que minha filha chorava eu chorava junto. Julgava-me uma péssima mãe e sentia um medo fóbico de perdê-la por culpa da minha inexperiência e até incapacidade. Aconselhada por uma amiga, procurei um médico que, imediatamente diagnosticou minhas culpas e desabamentos: depressão pós-parto. Voltei para casa com algumas caixas de remédio na bolsa e o coração mais feliz e aliviado. Não era uma fêmea sem sentimentos, era simplesmente uma pessoa fragilizada e que carecia de tratamento.
Algum tempo depois estava recuperada e pronta para ser a mãe que sempre imaginei que seria. A partir daí tive forças para seguir e procurei não olhar para trás. Tive mais duas filhas, mas esse quadro nunca mais se repetiu. Achei importante dar esse tipo de depoimento. Não quis me identificar pelo simples fato de que não quero que minha primogênita saiba que, mesmo involuntariamente, a rejeitei, ainda que fosse por um segundo.

Uma leitora do blog
Depoimento enviado através do manualdoinseguro@hotmail.com

23 comentários:

Faces de Mulher disse...

Stella...
Tem um carinho para VOCÊ EM MEU BLOG...
Desejo que goste...
Pois foi feito com carinho...
Você é uma salva vidas da felicidade humana...
Bjs
Chrys
;)

Déia disse...

Obrigada por compartilhar conosco esse dificil momento!
Tem gente que não acredita nisso!!
Não é fácil ser mãe, se responsabilizar por aquele serzinho indefeso e sem manual??!!
Parabens por sua superação!
bj

tertulías disse...

Nao é realemnte um tema sobre o qual eu possa discutir :-))

angela disse...

Bonito e sincero relato.
Este é um momento muito delicado e mesmo que se diga que ter filhos é da natureza, é da natureza humana ter reações diversas.
Ter conseguido cuidar da primeira, aliviou-a nas posteriores.
Abraços

Mai disse...

E são tantas mulheres a sentir insegurança e parece que há relatos que se assemelham e nunca são iguais.

beijos, querida.

Aninha Leme disse...

querida, eu imagino o quão difícil deva ser ter um neném. E não acho que vc tenha rejeitado o seu bebê nem por um minuto!! pelo contrário, vc procurou ajuda para poder ser a melhor mãe possível!
parabéns por sua história de final feliz!

beijos

Mônica disse...

Que coisa boa, saber que uma conterrânea está lendo meus rascunhos. Oliveira e Bom Sucesso sempre foram cidades por serem muito proximas cheias de interesses comuns.
Que tal os bailes em Bom Sucesso? Uma hora vou contar.
E em Oliveira, além do carnaval as lindas celebraçoes eucaristicas das ordenaçoes.

Minha irmã e cunhada não tiveram este problema. Mas sabemos de muitas mulheres que necessitaram de ajuda.
Eu parabenizo a você por ter transformado este pesadelo em um sonho bom.
E que dando este depoimento as mamães possam sentir segurança de procurar terapia. Porque quando isto não acontece é que o problema não acaba.
Com carinho
Gostei muito de voce, minha amiguinha conterranea.
Estarei por aqui.
Com carinho Monica

Úrsula Avner disse...

Oi Stella, obrigada por suas palavras tão amáveis em meu cantinho. Voce também expressa em seus textos muitos sentimentos que são comuns a nós mulheres. Isto é dádiva de quem escreve com o coração. Bj.

Intimo e Pessoal disse...

Depoimentos como este deveriam ser obrigatórios também nas revistas de nenens, já não lembro o nome dessas revistas que tem fotos do nenem, lindinho, arrumadinho, limpinho e a mãe sorridente e feliz! Quando na verdade, teremos, choro por causa de cólicas, peitos inchados, doloridos, e ficamos cheirando leite...afff. Pois essa é a realidade de muitas mulheres, e que as mães de primeira-viagem precisam saber que isso pode acontecer com elas também. Tive depressão pós-parto mas já sabia do assunto e procurei meu médico rapidamente, e tal qual a amiga blogueira, tomei antidepressivos.

Stella, obrigada pela visita e pelas palavras encorajadoras.

bjs e ótimo fim de semana

Luana disse...

È assim mesmo, o certo é nao olhar pra trás.E acredito que essa depressão nao pegue mais as maes desprevenidas e elas possam sempre superá-los.
A maternidade é um sentimento tão forte , que causa o inverso também, pra mim a amamentação é muito bonito e muito estranho . Lembro que me sentia meio bicho ... e era, né rsrsrs.Mas passou,sem traumas.
Abraços, Stela

.Lis disse...

Stela, desculpe mas o comentário acima é de Lis, do Flor de Lis, nao observei que uma amiga havia usado e ainda constava como usuario.
Com minhas desculpas
Lis

Lucimar Sant`Ana disse...

Estou visitando.
Queria dizer que Deus é o caminho a verdade e a vida.Busque força Nele. A insegurança é natural.
Beijos.

Helinha disse...

Oi, querida!!

É verdade... como todos colocam a maternidade como algo celestial (e realmente é maravilhoso, mas não sem espinhos!), nos sentimos culpadas por ter qualquer sentimento ruim com relação a isso...

Não tive depressão pós-parto, mas tive meus pequenos momentos de desespero, de me sentir perdida, sem saber o que fazer...

Ótimo texto!

Beijos com carinho!!

aconteceunaquelanoite disse...

Fiquei muito feliz em te-la no meu blog, ja li o que vc escreve e gostei muito. Serei figurinha cativa desse cantinho.
bjao

DIABINHOSFORA disse...

Olá Stella.
Obrigada pela tua visita e pelo simpático comentário.
Este post expõe uma realidade, que muitas vezes é demasiado cruel, mas inevitável para algumas mulheres. Tive a sorte de não passar por isso com as minhas duas filhas, mas conheço quem passou e não é nada agradável a sensação que de impotência e fragilidade que gera. Felizmente é superável e passageiro.
É bonito da tua parte expores-te assim ajudando outras pessoas que, por uma questão de vergonha, se julgam sós nesses momentos difíceis.
Parabéns e um beijo

Lice Soares disse...

Parabéns pelo belo espaço.

Sonia Schmorantz disse...

Estes depoimentos são muito interessantes. Tenha um lindo domingo
beijo

Tiago disse...

E é tão comum que isto aconteça...principalmente no primeiro parto!

Nada como o esclarecimento desta realidade para evitar tantos problemas...

Beijinhos e ótimo domingo!

Multiolhares disse...

Essas depressões pró parto acontecem bem mais vezes do que pensamos, mas é uma pequena fase que se trata, o amor de mãe está lá só não sabe como o deitar para fora
beijinhos

Sonhadoremfulltime disse...

Parabéns por nos trazer de forma tão brilhante a força de uma mulher.

Obrigado

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá Stella! Olha, esse é um assunto que não entendo, pois diz respeito a vocês, mulheres. Passei para te desejar uma ótima semana e dizer que vou voltar mais vezes.

Beijos,

Furtado.

BANDEIRA disse...

Oi !
Vou te seguindo...

E obrigada por me seguir tbm.

Vou coloca-la em minha lista de blogs favoritos

Bjs

SMM disse...

Gostei do teu blog! Se puder me visitar, vou adorar!http://sindromemm.blogspot.com
Valeu!