Seguidores

Romance escrito em tempo real

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

O Barro de que somos feitos

Eu, Stella Maris

Nunca entendi de estrelas e mares

Mas vivi grande espaço de tempo viajando

E decifrando o que me vai no íntimo

Acho que sempre gostei do avesso,

Tendência natural que me levou por caminhos

Insólitos, pouco visitados, navegados, torrentes de mim

Por um longo tempo desejei ser outra pessoa, outro tema,

Conhecer outras paisagens, possuir outro ofício,

Ter uma capa de invisibilidade ou ser igual todos os dias

Só após quatro décadas aprendi a conhecer e respeitar o barro de que sou feita,

Aliado a veias e digitais que são tão minhas

Aprendi a entender os labirintos dos meus dedos,

A extensa linha da vida e outros pequeninos sinais

que também os conheço e sei de onde vieram.



Comecei a fazer um auto-retrato como um exercício de autoconhecimento. Sempre parto do princípio de que quanto mais me conheço, me respeito, mais chance tenho de viver da maneira mais prazerosa e confortável. Conviver com um estranho sempre foi mais difícil que conviver com o melhor amigo. Ser parceiro de si mesmo, conhecer o barro do qual fomos feitos é um grande passo. Agindo assim, nunca subiremos no salto acreditando que somos a última bolachinha do pacote e estaremos conscientes que somos todos feitos do mesmo barro, mas também teremos sempre em mente que somos IMPORTANTES afinal, somos filhos de Deus!

Stella Maris Tavares Macedo (Stella Tavares)

16 comentários:

tertulías disse...

conhecer o barro de que somos feitos. sábia amiga. sábia amiga...

angela disse...

Stella
A unica grande vantagem do tempo é esta, reconciliar-se consigo.
Texto enternecedor.
abraço

Graça disse...

Stella, primeiro poema aos oito anos? Admiro os poetas e já te admiro a ti. Obrigada por teres pisado o meu "palco". Voltarei com mais tempo [estou de férias].

Adorei este texto, "aprendi a entender os labirintos dos meus dedos"_______lindo!

Beijo meu

Everson Russo disse...

Muito legal seu post, penso por ai tambem, muitas vezes acho que se conhecermos tudo que nos envolva na natureza, conheceremos a nós mesmos que somos parte dela, e vice versa, a gente vive tentando entender planetas, estrelas e luas...beijos querida, tenha uma linda noite..

Laís de Ponte disse...

Muito bom o texto!!!
Você tem toda a razão: temos que conhecer a nós mesmos!
Temos que ser nosso melhor amigo e não um estranho indecifrável!

beijão!

Marcone França disse...

Olá Stella,
Tem uma coisa boa em sermos feito de barro, estamos sempre sendo modelados, aperfeiçoados.
Abraço!

BANDEIRA disse...

Oi,
Obrigada pela visita.
Aqui tudo é muito legal.

Sobre o post: precisamos mais do que nunca nos conhecer intimamente. Para poder compreender os outros.

Abços

Angus disse...

Bellísimo.

Edna Lima disse...

Alguém já disse:"Eu sou eu e os meus avessos"Obrigada por seguir meu diário eletrônico, são só coisas que leio e me identifico.Grande bj

Everson Russo disse...

Um lindo dia pra ti querida, cheio de carinho e paz...beijos

Georgia disse...

Muito bom; o tempo nos ensina coisas...

A.S. disse...

Belissimo texto Stella!...

Ás vezes precisamos de andar no avesso de nós próprioa para nos descobrirmos verdadeiramente quem somos!...


Um beijo...

Cantodomeucordel disse...

Quando sabemos o que somos através de profunda auto-avaliação temos mais condições de conhecer nosso semelhante. O cotidiano nos ensina tanto.

Seu blog é instigante e inteligente.

Poético abraço de Gilbamar.

.Lis disse...

Sentimentos parecidos ., já os tive. Vontade ser outra,o tempo me ensinou que a hora é agora, passa.E, conhecer de que barro somos feitos é uma forma de voltar lá atráz , e tentar de novo, fazer melhor.Me identifiquei e emocionei.Obrigada pela sempre boa leitura.
Abraços

G I L B E R T O disse...

Stella

Belissimo texto!

Belissima leitura de si mesmo!

Gostei muito. Parabéns!

Navegar pela blogosfera é tudo de bom, este oceano e suas águas por vezes, nos trazem a portos lindos como este teu aqui...

GRato

Gilberto
Nel mezzo del cammim

*Adriana* disse...

"Por um longo tempo desejei ser outra pessoa, outro tema, Conhecer outras paisagens, possuir outro ofício, Ter uma capa de invisibilidade ou ser igual todos os dias..."
Tanto tempo vivi assim. É sempre muito bom passar aqui.
Beijos e bom fim de semana