Seguidores

Romance escrito em tempo real

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Carnaval

Dizem que é carnaval, mas eu não acredito. Acreditaria se estivesse me arrumando para dançar no clube. Desenrolando os meus sapatos dourados, de um solado tão fino que dava para sentir cada pedrinha da minha rua descalça. A banda do Zelinho tocando “Carnaval é loucura”, hino carnavalesco de sua autoria. Minha mãe sentada, observando a minha dança singela e verdadeira.
Acho que perdi a loucura por carnaval, mas, também já perdi a loucura por tanta coisa. Conheci outras modalidades. Inclusive, a de ser uma pessoa sem passado. Por opção. Fui retirando a sua importância num jogo que só eu sabia jogar. Cada pessoa que morria, fazia enterrar junto com elas as suas lembranças.
Foi assim que enterrei minha infância, a sete milhões de palmos da terra e achei ter descoberto a maneira mais indolor de se viver. Quando dei por mim, estava totalmente sem memórias, com dificuldade para me lembrar de coisas simples, como onde havia deixado meus óculos ou o molho de chaves.
A memória me armou uma falseta e só havia uma saída: ir ao meu encalço palmilhar cada rastro num resgate salva-vidas. Assim nasceram esses contos e crônicas, como o restaurar de uma pintura.

(Extraído do livro "O Adestrador de Sentimentos" de Stella Tavares publicado em 2007)

11 comentários:

Stella Tavares disse...

Queridos amigos,
Quis deixar uma amostra sobre o que é o Adestrador. Vou voltar a escrever sobre outros assuntos. Espero que tenham gostado dessa pequena amostra.
A vocês todo o meu carinho.
Bjs

angela disse...

Stella
Minha memoria anda ruim, será que ando deixando lembrança pra lá?
Seja lá o que for que você decida escrever será bom.
beijos

Déia disse...

Que triste enterrar as memórias e lembranças...

Será que não houve nada agradável, engraçado, e gostoso pra lembrar?

Nossa vida é nossa história, por conta das vivencias é que somos o que somos hoje!

Bonito texto, porém triste....

Everson Russo disse...

Sempre muito gostoso relembrar as historias e guardar as memorias...beijos querida e um belo dia pra ti..

*Adriana* disse...

Sim, Stella, adorei conhecer um pouco mais do seu livro. Para não sentir tanta dor optou em esquecer o passado mas talvez não tenha sido a melhor opção.

beijos

"re" disse...

Oi Stella

Tenho andado meia apagada e fugida deste cantinho tão belo, onde nos delicia com a tua escrita magnífica.
A perseverança nos altos sentimentos é a força que nos eleva acima das nossas limitações....

Besitos

Eliana disse...

Parece que temos mais em comum além do sobrenome. Também ando desenterrando memórias.
Obrigada pela visita e pelas palavras de incentivo
Bj

Alexandre da Fonseca disse...

BOANOITE!! ADOREI SEU BLOG,SUCESSO E MUITA PAZ...BJS

Graça disse...

Eu gostei muito, Stella, desta amostra do teu livro.


Um beijo e obrigada por teres passado por lá.

Luciana Guimarães disse...

Muitas vezes, as memórias são mais reais que a realidade vivida. Mas, para tê-las, é preciso viver. Até para esquecer é preciso ter do que lembrar... Bjs

Livinha disse...

Minha querida amiga, esse capítulo de tuas memórias, parecem um pouco comigo, embora seja em situações contrarias... Quatro anos viuva, memória zero, não direcionada ao passado, mas ao presente... Creio ter ficado lá trás, vez que tudo é nítido e claro nas lembranças mais que vivas do que já vivi anteriormente... Doravante, nada gravo da atualidade, meio perdida até mesmo nas coisas que acabo de ler ou ouvir... Penso que me neutralizei para atualidade de ser.
Deito e durmo, como que faço uma viagem para não viver o vazio...
Brilhante texto. Gosto muito de tuas escritas, objetivas e ricas em todo seu contexto...
Parabéns!

Stella tenha uma feliz semana junto aos teus...

Bjs